Secretaria da Cultura de Osasco, juntamente com os cineclubistas da cidade apoiados pelo Centro Cineclubista de São Paulo, lançará no próximo dia 30 de abril a segunda edição do Cine Debate, a primeira realizada pela Secretaria e que passará a fazer parte do calendário mensal de atividades culturais da cidade.
A primeira edição do Cine Debate ocorreu em fevereiro último, com a exibição do documentário “Utopia e Barbárie” do diretor Silvio Tendler que também esteve presente ao evento.
Nesta segunda edição a temática será sobre “Memória”, como início dos trabalhos a serem desenvolvidos acerca do Projeto Osasco 50 Anos que discorre sobre o resgate e valorização do patrimônio histórico e cultural da cidade. Memória esta que é a própria expressão da identidade de Osasco.
Serão exibidos dois curtas-metragens, com a presença de seus respectivos diretores e dois debatedores especialistas no tema:

Filme: “Fogo que aquece a memória” - Documentário/ficção, 17 min. Cor, Diadema, SP, 2003.
Texto, Roteiro, Produção e Direção: Diogo Gomes dos Santos

Sinopse: Na noite de 02 para 03 de julho de 2003, um incêndio destruiu todo o acervo catalogado até 1997 do Centro de Memória de Diadema. O filme faz uma retrospectiva da história do Centro de Memória e registra a vontade de todos continuarem a construção da memória da cidade, como um direito da cidadania.

Filme: “Das Ruínas a Rexistência” – Documentário, 13', cor, 35mm, 2007
Roteiro: Bernardo Vorobow, Carlos Adriano | Diretor Fotográfico: Décio Pignatari, José Nania, Carlos Adriano | Montagem: Carlos Adriano  Produção: Bernardo Vorobow, Carlos Adriano

Sinopse: Montagem poética de dois filmes realizados nos anos 60 pelo poeta e pensador Décio Pignatari e que permaneceram inacabados, por isso nunca circularam. Entre 1961 e 1962, com a produção da Estrela Vermelha, empresa fundada por Pignatari e seu amigo José Nania, foram filmados, em 16mm, o documentário “Ruínas para o Futuro”, sobre a greve dos vidreiros de 1910 e a utopia operária, e a ficção “Ponto de Encontro”, uma história de amor passada entre os trilhos que ligam Osasco a São Paulo.
Na mesa, além dos dois diretores, Diogo Gomes e Carlos Adriano, contaremos com a presença do Sr. Absolon de Oliveira, historiador e coordenador do Centro de Memória de Diadema e da Professora Maria Cecília Martinez (Profa. Cíça), História do UNIFIEO.

Quando: Dia 30 de abril às 16h, no Espaço Cultural Grande Otelo, Rua Dimitri Sensaud de Lavaud, 100 - Vila Campesina ao lado da Prefeitura de Osasco. 




Links para esta postagem

ler e escrever' Comentários ( 0 )



Links para esta postagem

ler e escrever' Comentários ( 0 )


O Cineclube Lunetim Mágico realiza todo o último sábado de cada mês seu projeto de exibição de vídeos independentes.

Nesse mês, em parceria com o Coletivo de Vídeo Popular, encerrando o Circuito de Exibição do Vídeo Popular, apresentaremos 2 filmes:


  CIRCUITO DE EXIBIÇÃO DE VIDEO POPULAR
Apresenta:
Qual Centro?
(Brasil/SP, 2010, 15 min).
Realização: Coletivo Nossa Tela.
O filme debate o projeto de revitalização da região central da cidade de São Paulo, tendo como foco os moradores que ocuparam um posto de gasolina e sua luta pelo direito à moradia.
(Brasil/SP, 2010, 50 min)
Realização: Cia. Estudo de Cena.
A produção acompanha uma trupe de circo, formada por desempregados e trabalhadores ocasionais, que viaja pelo Brasil para apresentar um espetáculo de rua sobre os dias de hoje.

Realizadores debatem suas produções.
Bate papo + Música

RUA AUGUSTA 1239, 1º. ANDAR, sala 13
 (EM FRENTE AO BAR IBOTIRAMA)
Entrada Gratuita

Mais Informações:

lunetim@hotmail.com

11 – 3214.3906 / 7038.6836 / 6181-2405 / 8283-8220







Links para esta postagem

ler e escrever' Comentários ( 0 )

Biblioteca Terra Livre tem o prazer de anunciar a segunda sessão do CINECLUBE TERRA LIVRE em parceria com o Centro Cineclubista de São Paulo.
Conforme ocorrido na primeira sessão, realizada em março de 2011, o CINECLUBE TERRA LIVRE relizará uma sessão de cinema gratuita com temática anarquista seguida de debate. Sessão esta que faz parte do ciclo de filmes intitulado “Películas Negras”: Produção Cinematográfica Anarquista.
O objetivo central desta mostra é resgatar parte de história do cinema que foi escamoteada por muitos anos. Pretendemos apresentar e retomar a discussão da produção cinematográfica anarquista.
Anarquistas se aventuraram a produzir filmes em diferentes países e em diversos períodos históricos. Pretendemos traçar um panorama dessa produção, trazendo o anarquismo não somente como tema dos filmes, mas como idéia que orientou a organização e realização dos filmes, pensando na propaganda e se valendo da autogestão como meio de produção.
Além disso, pretendemos criar um espaço permanente de reflexão e discussão sobre a estética anarquista e como os anarquistas utilizaram a linguagem do cinema para se expressar.
Para tanto, fizemos a seleção de alguns filmes que dialogam com esta proposta.
SEGUNDA SESSÃO: 17/04 – JEAN VIGO
ZERO EM CONDUTA (Zéro de conduite: Jeunes diables au collège)
França, 1933, 35mm, preto e branco, 41min
cp: Franfilmdis; d e r: Jean Vigo; e: Jean Vigo
À PROPÓSITO DE NICE (À propos de Nice)
França, 1930, 35mm, preto e branco, 22min
d e r: Jean Vigo; e: Jean Vigo
A sessão terá inicio as 18h no Centro Cineclubista de São Paulo.
LOCALCECISP – Centro Cineclubista de São Paulo
Rua Augusta, 1239, sala 13 – São Paulo
Próximo ao Metrô Consolação
Entrada Gratuita


Links para esta postagem

ler e escrever' Comentários ( 0 )

RASTROS, PEGADAS DE MULHER (Traces, empreintes de femmes), direção de Katy Léna Ndiaye. Documentário, 52 min.  Coprodução: França/Bélgica/Burkina Faso/Senegal, 2003, legendas em português. Classificação: 12 anos.
Sinopse: As pinturas murais das mulheres kassenas de Burkina Faso, perto da fronteira com Gana, são famosas pela beleza do traçado e pela harmonia de cor. Interessada no assunto, Katy Léna Ndiaye escolhe comparar tradição e modernidade, através do retrato de três anciãs e da “neta” que elas iniciam nas técnicas ancestrais. Ela realiza um filme com maestria estética, verdadeiro retrato de uma comunidade artística, por onde se discute a transmissão de ensinamentos, a educação e a memória numa África em mutação.
 
Sobre a diretora:
Katy Léna Ndiaye nasceu no Senegal em 1968, mas chegou à França, onde seus pais se instalaram, muito jovem. Há dez anos trabalha na Bélgica, em Bruxelas, onde exerce a profissão de jornalista. “Rastros, pegadas de mulher” é seu primeiro filme.

Local: CECISP – Centro Cineclubista de São Paulo
Rua Augusta, 1239, conj. 13 e 14 – São Paulo
Próximo a Avenida Paulista – Metrô Consolação
Horário: 19 horas – Entrada Franca
Informações: (011)3214-3906
http://www.centrocineclubista.blogspot.com
http://www.cineafrosembene.blogspot.com
Realização: Forum África
Colaboração:



Links para esta postagem

ler e escrever' Comentários ( 0 )

Esse ciclo faz parte do projeto Carne – Patriarcado e capitalismo (2010-2011, desenvolvido pela Kiwi Companhia de Teatro com o apoio do Programa de Fomento ao Teatro para a Cidade de São Paulo.
Ciclo de Filmes realizado pela Kiwi Companhia de Teatro / Companhia Paulista de Teatro em parceria com o Cine Mulher e com o apoio do Centre A
udiovisuel Simone de Beauvoir e do Centro Cineclubista de São Paulo.
PROGRAMAÇÃO:
Bajo Juarez. La ciudad devorando a sus hijas
Alejandra Sánchez e José Antonio Cordero (México, 2007), 96 min.
Documentário sobre a morte de mais de 400 mulheres durante os últimos 15 anos em Ciudad Juarez, uma vila de operárias na fronteira com os Estados Unidos. O filme dá a palavra às parentes das mulheres assassinadas, às mulheres que vivem em Juarez sob ameaça constante de violências e às jornalistas que procuram revelar a verdade por trás destas mortes.
Debate com Amelinha Teles, fundadora da União de Mulheres de São Paulo
Dia 06 de Abril (quarta) 19 horas.
El Dia que me quieras
Florence Jaugey (Nicarágua, 1999), 61min.
O cotidiano de mulheres policiais e assistentes sociais dentro de uma delegacia de mulheres e da infância em Manágua.
Debate com o Coletivo Dandara da Universidade de São Paulo
Dia 07 de Abril (quinta) 19 horas
Amores de Rua
Eunice Gutman (Brasil, 1994), 46 min.
Documentário que aborda a sexualidade e direitos civis das prostitutas do Rio de Janeiro.
Debate com a cineasta Eunice Gutman e representantes da Marcha Mundial das Mulheres
Dia 08 de Abril (sexta), 19 horas.
Local:
Câmara Municipal de São Paulo (Plenarinha)
Viaduto Jacareí, 100 – Bela Vista, São Paulo (Metro Anhangabaú)
=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-
Fala Mulher!
Graciela Rodriguez e Kika Nicolela (Brasil, 2005), 80 min.
Documentário em que quinze mulheres afrodescendentes falam sobre suas vidas, todas têm em comum a paixão pelo samba. No cotidiano, são manicures, domésticas, secretárias, cabeleireiras e professoras batalhando pela sobrevivência.
Debate com Graciela Rodriguez, cineasta e integrante do grupo teatral TUOV e kika Silva, fundadora da Organização de mulheres negras Oriashé e integrante do Fórum Estadual de Mulheres Negras de São Paulo.
Dia 09 de Abril (sábado), 18:30 horas.
Local: Centro Cineclubista de São Paulo
Rua Augusta 1239, cj. 13/14 Centro, São Paulo
Todas as atividades são gratuitas.


Links para esta postagem

ler e escrever' Comentários ( 0 )

videos lunetim